Os ollos

Sol, niste pozo escuro tan profundo

que eu son, terra amasada en sangue;

ollos meus, que sin vós non sabería

do vento azur que canta nos solpores

axóuxeres de luz e volvoretas.

Ollos meus, craras fiestras na cárcere

dun sono sin final.

 

A vida non é nada.

 

O mundo, o mar, o amor, tristes bruidos

sin vós, taito sotil para apalpar as formas,

para medir o tempo,

para saber de Dios,

para pousarme amante sobre as nubes

ou sobre o leito verde da paisaxe

dende iste barco mouro que me leva,

ollos meus, terra amasada en sangue.

License

O soño sulagado Copyright © 1955 by Celso Emilio Ferreiro and Ferreiro, Celso Emilio. All Rights Reserved.

Feedback/Errata

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *