Primavera inútil

Xa non te quero, abril, camelia murcha

sobre as ondas de un mar de escumas lenes.

Agora o meu amor ten outro nome

e búleme no sangue coma un berro

que sin acougo bule, baixa, rube.

 

(¡Qué sede infinda teño

nestas fondas feridas dos meus pulsos!)

 

Xa non te quero, abril, sombra de un tempo

que no tempo morréu e que me chama

cun nome que n-é meu, que non entendo,

de sílabas espidas que mergullan

o lévedo cansancio que me abrangue.

 

Un nome que n-é meu. Sinto xenreira

de aquela mocedade, de aquil sono

que vai sobre o meu lombo coma un saco

de froles podrecendo.

License

O soño sulagado Copyright © 1955 by Celso Emilio Ferreiro and Ferreiro, Celso Emilio. All Rights Reserved.

Feedback/Errata

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *